Publicado em RPG

Heroes of Horror – Motivações para Vilões em Campanhas de Horror

Como você elabora um vilão, crível e memorável? O que faz um vilão terrível é a combinação de suas motivações, seus objetivos e suas formas para realizar esses objetivos. Como todo mundo, os vilões sempre sentem que têm algo a ganhar ou que estão lutando por aquilo que consideram ser um bem maior.

A seguinte lista de possíveis motivações para Vilões do Heroes of Horror está longe de ser abrangente, mas colabora sendo uma fonte de pesquisas e um ponto de partida para Campanhas de Horror.


Motivações para Vilões em Campanhas de Horror

Auto-satisfação – Talvez, o motivo mais primal, este é nada mais do que o cumprimento de um desejo pessoal. O viciado que comete crimes violentos para alcançar sua escolha, o estuprador (se ele pede liberação sexual ou sentimentos de poder e dominação) e o serial killer que mata de raiva e frustração são exemplos de auto-gratificação.

Doenças – Peste e o medo de uma contaminação pode colaborar para atos horríveis. Os infectados também podem cometer atos terríveis em busca de uma cura, ou durante a loucura através das violentas febres. O simples ato de buscar o contato humano pode espalhar a praga para os outros, resultando em mais sofrimento. A doença raramente está como uma motivação, mas muitas vezes inspira outros, como o ódio e a loucura.

Enriquecimento – Um dos motivos mais simples, isto não é nada mais do que o desejo por ganho pessoal. O ladrão comum é muitas vezes estimulado por o desejo de um tesouro, embora outros também são, tais como diversos dragões ou exércitos invasores dispostos a matar centenas de pessoas e cidades para ganhar riqueza.

Fanatismo – Uma das justificativas mais comuns para a vilania é o amor, ou as ordens de um poder superior. Talvez seja uma nação, uma igreja, uma família, uma organização, uma filosofia ou uma divindade, o indivíduo se esforça para servir e proteger o objeto de sua devoção à custa de todos os outros. O patriota ou espiões estrangeiros que são capazes de cometer crimes contra outros povos, o fanático religioso que converte “infiéis” pela espada, e a igreja que lança uma inquisição contra os membros de outras religiões (ou mesmo a sua própria), são exemplos de fanatismo.

Liberdade – O desejo de ser livre de um governo opressor ou um governante é justificável, e aqueles que lutam contra tais regimes são muitas vezes considerados heróis. Embora, se a maneira pela qual eles lutam crescer de forma violenta ou indiscriminada, ou se alguém luta por sua liberdade ilegal, torna-se menos admirável. O terrorista que visa a população civil que vive sob o governo de que ela pretende derrubar, ou o prisioneiro que mata outras pessoas em sua luta para escapar da punição por seus crimes, é ostensivamente uma busca pela liberdade.

Loucura – Alguns vilões não têm motivos de fácil compreensão. Eles são movidos pela loucura, uma loucura incompreensível para aqueles cujas mentes são relativamente normais. Muitos serial killers se enquadram nesta categoria. A loucura é freqüentemente resultado de uma doença ou de uma perda e desespero.

Justiça – A necessidade de corrigir os erros do passado leva indivíduos obcecados a tomar ações inadequadas. Uma mulher caça criminosos que mataram seu marido, com a violência em sua mente, é algo que a maioria pode compreender. Quando a justiça cresce de maneira obcecada por sua busca pode resultar na disposição para matar qualquer um que está em seu caminho, ou se recusa a considerar as consequências de suas ações. Justiça é sutilmente diferente da vingança como motivação, mas muitas vezes leva a um para o outro.

Mudança Social – Algumas pessoas estão dispostas a transformar a violência em um esforço para mudar a sociedade em torno deles. Embora isso possa ser justificado em certas circunstâncias, torna-se indiscutivelmente um vilão quando inocentes sofrem por essas ações. A população que sobrevive ou apoia o sistema atual, no qual o governo usa a violência para reprimir aqueles que buscam a mudança, ambos são motivados pela mudança social. Apesar de ser uma busca para fazer com que ele e os outros sejam detidos, ambos são igualmente perversos em seus métodos.

Perda e Desespero – Mesmo a melhor das pessoas podem ser levadas a cometer horrores nas circunstâncias adequadas. Se a vida de um ente querido está em jogo, por exemplo, seus familiares podem tomar quaisquer medidas necessárias para protegê-lo. Considere um nobre senhor, cuja filha ficou doente com uma praga que parece resistir curas mágicas. Quando ele sai de casa à procura da cura, ele é heróico. Quando ele determina que ele vai adquirir a cura, não importa o custo, mesmo quando nas mãos daqueles que estão igualmente doentes, ou matando os outros que a procuram para que eles não encontrem primeiro, ele torna-se um vilão. Trágico? Sim, mas um vilão! Outro exemplo, considere a jovem aprendiz, cuja alma de seu pai é eventualmente reivindicado pelo demônio senhor com quem tratou, há muitos anos. Se o aprendiz aceita sacrificar outros para o demônio em troca do retorno de seu pai, ou para soltar o demônio no plano material, são ações de um vilão e não importa quão bem intencionada.

Ódio – Seja ela religiosa, racial ou cultural, o ódio e preconceito pode motivar um número considerável de vilões na ficção e também no mundo real. Nesta categoria encontra-se o ditador que escraviza ou aniquila alguma raça por uma fé específica. O ódio pode brotar a partir de uma herança cultural, prejuízo ou provenientes e muitas vezes inspirada por outras motivações, como a perda, vingança, ou o desejo de mudança social. Embora, as vezes confunde-se com o desejo de purificação.

Ordem – O vilão que pretende conceder a ordem sobre o que ela vê como um mundo caótico da sociedade, acreditando que tem os melhores interesses do povo no coração, que toda a morte e dor que traz com seus atos, agora vai valer a pena. O vigilante que abate até o mais pequeno dos criminosos e do usurpador tirano que aprisiona qualquer um que ouse falar contra ele, são exemplos de motivações da necessidade de impor a ordem.
 

Poder pessoal – Às vezes, o vilão que pretende governar os outros não é movido pelo desejo de tornar o mundo um lugar melhor.  O poder pessoal é a principal motivação para muitos nobres e políticos, que procuram exaltar-se e governar, não se importando com quem sofre sob seu domínio. O príncipe que deseja matar seu irmão e ascender ao trono, o doppelganger que pretende substituir o prefeito, afim de controlar a cidade. O rei que invade outras nações, por nenhuma razão, apenas procura expandir seu próprio reinado e fronteiras, são parte desta categoria.

Possessão – Vilões podem cometer o mal a partir de sua própria vontade, entretanto alguém possuído por um demônio ou fantasma ou mentalmente controlado (como com um dominar magia) dificilmente é responsável por suas próprias ações, embora pode ser o vilão principal de um jogo ou até mesmo uma campanha.

Purificação – Próximo do ódio, este é o motivo, para quando alguém acreditar que um determinado grupo – seja ele uma raça, religião, sexo, profissão – é responsável por corromper a sociedade. O desejo de purificação, muitas vezes motiva a limpeza ou a perseguição religiosa. Pode-se argumentar que a “purificação” não está tão relacionada ao ódio como uma subcategoria do mesmo.

Sobrevivência – Indivíduos motivados de sobrevivência podem tornar-se vilões terríveis sob as circunstâncias adequadas. Se todas as pessoas de uma comunidade acreditarem que um homem é responsável por uma onda de crimes, ele pode se sentir compelido, mesmo sendo inocente, para matar todos aqueles que vem em busca dele, para não revelar a sua localização. Ainda assim, pode-se até argumentar que certos monstros, como vampiros, não têm escolha a não ser matar os outros para sobreviver.

Vingança – Um passo próximo da justiça, a vingança refere-se aos vilões que pretendem corrigir um erro do passado contra si ou para outrem. O fantasma irritado que ataca a todos os seres vivos em retribuição por seu assassinato. O rei que envia seu exército para invadir uma nação, porque apenas um cidadão do país tentou matá-lo, ou a feiticeira que amaldiçoa toda a família do sacerdote, que ordenou para ela ser queimada na fogueira, são exemplos de vilões de vingança.


 

6 comentários em “Heroes of Horror – Motivações para Vilões em Campanhas de Horror

  1. Boa postagem!

    Não é tão fácil quanto parece fazer um vilão crível, este artigo é uma ajuda excelente.

  2. Excelente!

    O protagonista de “Reptilia Squad”, Lênin, é um típico arqui-vilão: sempre atira primeiro, sem pensar duas vezes e sem fazer perguntas depois; onde quer que encontre opositores, convida-se a assassiná-los sumariamente – com tudo a que eles têm direito e mais um pouco.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s