De Mestre para Mestre #1 – Paulo (Palatus)

Hoje, mais uma novidade, a primeira e a segunda edição da coluna de Mestre para Mestre, uma nova seção no blog, que realizará uma série de entrevistas com narradores experientes, buscando compartilhar ideias e contribuir para a formação de novos mestres, além de auxiliar os mais inexperientes e novatos.

Se você é um mestre inexperiente ou iniciante, aproveite está oportunidade para sanar suas dúvidas, através dos comentários. Você, mestre experiente, que deseja contribuir com a coluna, comente também sobre suas experiências e contribua no desenvolvimento de novos narradores. Além disso, aceitamos sugestões para aperfeiçoar e aprimorar a coluna.

De Mestre para Mestre #1 

counseling

Por favor, faça uma breve apresentação:

Meu nome é Paulo, mas prefiro que me chamem de Palatus, tenho 24 anos, atualmente estou sem trabalho e sou de São Bernardo do Campo, em São Paulo

Quanto tempo você mestra e como começou?
Nem lembro mais quando foi que eu comecei a jogar e mestrar, mas devem fazer uns 12 anos, lembro que foi com um amigo meu que jogou na escola e quis me ensinar o RPG, na época jogávamos um sisteminha que nós mesmo tínhamos inventado.

Qual é o seu estilo de jogo, como Mestre?
Sou o que eu chamo de “Mestre Neutro”, tenho sempre uma ideia de o que vai acontecer na campanha, mas dificilmente obrigo meus jogadores a seguirem o que foi planejado, normalmente só reajo as ações deles.

Quais são as melhores habilidades de um Mestre?
Eu diria que são paciência, criatividade e boa capacidade de improvisação.

Quais são os seus maiores obstáculos narrando e o que faz para corrigir isso?
Meu maior problema quando eu mestro, normalmente é a falta de livros a mão ou jogadores muito combeiros (termo usado para jogadores que otimizam ao máximo as habilidades, qualidades e vantagens do personagem, às vezes aproveitando-se de falhas nas regras), resolvo isso fazendo consultas na internet, em sites como o D&Dtools ou livros que eu tenho no PC (mas que eu gostaria muito de comprar se tivesse grana). Quanto aos combeiros, bom, não gosto de sair por aí dizendo que os jogadores não podem usar os personagens que eles fizeram, então eu normalmente coloco desafios nos quais os personagens combados teriam dificuldade.

Qual o local e ambiente ideal para realizar uma sessão de RPG?
Pessoalmente, gosto de jogar em casa, pois fica mais perto da geladeira, onde ficam os refrigerantes e onde eu tenho acesso aos meus livros e ao notebook que eu uso para consultar as coisas em caso de emergência.

Como você organiza as suas sessões de RPG?
Fiz um grupo no facebook para poder avisar aos jogadores, mas normalmente deixo que eles escolham o dia e o horário, assim ninguém pode reclamar que o jogo foi marcado em um dia que ninguém poderia ir, deixo eles decidirem até quinta-feira e o jogo normalmente ocorre de sexta ou sábado.

Qual o seu processo de pesquisa e planejamento para desenvolver uma história e aplicá-la em jogo?
Eu criei todo o cenário de campanha onde mestro, então tenho quase tudo que preciso, ou em arquivos no notebook ou na minha cabeça, uma vez que gosto de um mundo de jogo dinâmico, eu imagino onde as coisas vão terminar. Atualmente a campanha se passa em torno a uma invasão de alienígenas (devoradores de mente) que ainda vai acontecer, os jogadores investigarão as abduções e, a partir disso, deixo que eles façam o que quiserem, se eles seguirem a ideia principal, estarão preparados, se não, serão pegos de surpresa como o resto do mundo.

Quais são os temas recorrentes em seus jogos e como faz para usá-los?
Nesse caso, dou total liberdade aos jogadores escolherem o que fazer, se as escolhas dos personagens os levarem a uma campanha de terror ou investigação, foi por escolha deles.

Como manter os jogadores focados no jogo?
Jogando a decisão sobre o que eles vão fazer nas mãos deles, pois assim, se o jogo ficar muito parado, só poderão culpar a si mesmos, mas se eles ficarem muito apáticos, não é nada que um ataque surpresa não resolva (gargalhada do mal).

Quais são as principais qualidades de um jogador e como explorá-las a favor do jogo?
Gosto de jogadores que ficam curiosos sobre o cenário que eu criei e façam um background que seja bem rico, mas dentro das capacidades do personagem (ex: nada de derrotar exércitos no histórico se o seu personagem está no nível 1), ele também deve prestar atenção no que está acontecendo in-game e não dar uma de anti-jogo e, é claro, serem capazes de jogar em grupo.

Quais ferramentas ou acessórios você usa, e como eles são capazes de auxiliar mestres?
Normalmente uso meu notebook para fazer consultas rápidas e também como um escudo do mestre high-tech.

Quais são suas principais referências, além do RPG?
Jogos, livros e filmes, Warcraft, a série Elder Scrolls, a trilogia tormenta, as crônicas de fogo e gelo, o senhor dos anéis, a trilogia da mão esquerda de deus, são todas fontes de inspiração.

Na sua visão de Mestre, descreva uma sessão de RPG perfeita?
É difícil explicar o que seria uma sessão de jogo perfeita, mas uma que se desenrole sem nenhum dos jogadores discutindo com o mestre, que tenha sempre alguma coisa gelada para beber por perto e que seja com os amigos, pode não ser perfeita, mas para mim, já está de bom tamanho.

Um conselho essencial para um mestre inexperiente?
Não complica, se você é novo, não tente usar suplementos e regras que você não conheça, se você puder, comece a mestrar em algum cenário que já esteja pronto, como Tormenta, Forgotten Realms, Warcraft e cenários do gênero. Até acho que Warcraft e Tormenta sejam melhores que Forgotten Realms por serem bem mais simples de entender, principalmente o Warcraft, pois a maioria dos jogadores mais novos já teve algum contato com o WoW, e tente se ater ao livro básico, só depois que você conhecer o básico, sinta-se livre pra criar cenários e usar suplementos obscuros.

Um comentário sobre “De Mestre para Mestre #1 – Paulo (Palatus)

  1. Que isso o Boninha quem enfrentou meu combo de de corrente com cravos e desarme aprimorado ehauehauehauehaueh …. e o mais combeiro de todos os jogadores que conheço é você Palatus… reclamar de combeiros e não ter amor próprio …

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s